BLOG COOPERFORTE
  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 11 de fevereiro de 2014

Livros digitais: uma onda econômica e ecológica que cresce no Brasil

Por: Cooperforte

Como aconteceu com o rádio e o cinema, quando surgiu a televisão, o que agora se debate é o futuro do livro impresso. Na opinião de algumas pessoas, os livros em papel correm risco de cair em desuso, devido à popularização dos livros digitais (e-books), inclusive em nosso país. Segundo o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística – IBOPE, 9,5 milhões de brasileiros preferem ler livros na versão digital.

Entre os motivos que os levam escolher e-books, eles citam a economia de espaço, a portabilidade e o conteúdo multimídia das publicações, ricas em links, vídeos e outras interações. Destacam também que os e-books são mais baratos do que os livros comuns, pois não são impressos, transportados nem armazenados fisicamente, o que faz aumentar o preço final. Além disso e também por estes motivos, os livros eletrônicos são produtos sustentáveis.

A leitura de e-books é feita em tablets da categoria e-readers e em equipamentos eletrônicos semelhantes e que possuam a mesma finalidade.

Você sabia? – O número de leitores de e-books em nosso país corresponde a aproximadamente 5% da população brasileira. São, em maioria, do sexo feminino, têm formação educacional superior e estão na faixa etária entre 18 e 24 anos.

 

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/9,5-milhoes-de-brasileiros-ja-leem-livros-digitais,-segundo-estudo/27249

  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 13 de janeiro de 2014

Sustentabilidade à flor da pele

Por: Cooperforte

Preservar a natureza não é apenas uma bandeira defendida por ambientalistas. Hoje, ninguém mais duvida que equilíbrio ecológico seja imprescindível para a sobrevivência da vida humana no planeta.

Diante disto, sustentabilidade está se tornando uma prática tão comum na vida das pessoas que não é difícil encontrar, à disposição, produtos fabricados com materiais e processos de baixo impacto ambiental. Inclusive roupas, como as camisetas de fios produzidos a partir da reciclagem de garrafas pet e outras peças que utilizam algodão orgânico e fibras de bambu, sem uso de produtos químicos.

Contudo, não bastam os materiais e o processo industrial serem ecológicos para que o produto seja considerado sustentável. O moderno conceito de sustentabilidade leva em conta, também, outras relações de produção, como condições de trabalho e cumprimento da legislação.

Sabendo que o Brasil, segundo o Instituto de Estudos e Marketing Industrial, possui a quinta maior indústria têxtil no mundo, produzindo, em média, 2 bilhões de toneladas ao ano, já pensou no benefício que seria para a natureza e para a sociedade se a maior parte desta produção fosse sustentável?

 

Fontes: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/conteudo_268727.shtml

http://www.audaces.com/br/Desenvolvimento/Falando-de-Desenvolvimento/2013/10/31/moda-verde-marcas-investem-em-produtos-sustentaveis

http://www.textilia.net/materias/ler/textil/conjuntura/producao_da_industria_textil_no_brasil_sofre_queda

  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 3 de dezembro de 2013

Seu “melhor amigo” pode ser também amigo do planeta

Por: Cooperforte

Você já pensou que, até no cuidado com os animais de estimação, você pode colaborar para a saúde do meio ambiente? Duvida? Então veja:

Estima-se que haja 250 milhões de cães domésticos em todo mundo e, destes, 52 milhões estão no Brasil. Este volume mostra como nós, brasileiros, simplesmente adotando atitudes ecológicas no cuidado de nossos “melhores amigos”, podemos contribuir expressivamente para a sustentabilidade mundial. Afinal, pouco mais de 20% de toda população canina mundial está em nosso país.

Sabendo disto, é hora de mudar hábitos em relação aos nossos animais de estimação, a começar pelo uso de produtos reciclados. Brinquedos, vasilhames, casinhas e outros artigos feitos de material reaproveitado ou reprocessado causam menos impacto ambiental do que aqueles comumente utilizados.

Do mesmo modo, usar xampus e outros produtos de limpeza canina livres de agentes químicos prejudiciais à natureza, assim como utilizar embalagens de papel para recolher dejetos, são atitudes ecologicamente positivas, que provocam grande efeito.

Sabendo disto, não há dúvida: seu “melhor amigo” pode ser também amigo da natureza. E as suas pequenas e cotidianas ações podem ser ajuda importante para que nosso planeta não vire, ecologicamente, um mundo cão.

 

Fonte: http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/atitude/caes-gatos-podem-contribuir-meio-ambiente-567046.shtml

  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 22 de novembro de 2013

Geração Y, conectada e sustentável

Por: Cooperforte

“Geração Y”. Apesar de muito usado em várias situações, este termo ainda é estranho a muita gente. Mas seu significado é simples. Ele é o nome que se dá à geração que, nascida a partir da metade dos anos 80, é hiperconectada à internet, às redes sociais e a todos os recursos que a tecnologia proporciona.

A Geração Y tem características muito próprias. É imediatista, ambiciosa e, na maioria das vezes, muito competitiva. Mas também é idealista, colaborativa e comprometida com vários interesses coletivos. Entre eles, a questão da sustentabilidade.

Prova disto é o resultado de um estudo atual, feito em conjunto pela emissora de televisão MTV com o Instituto Akatu: aquecimento global, poluição, escassez de recursos e desigualdade social são temas de grande interesse para os jovens brasileiros. Sem dúvida, em breve estas preocupações impactarão o ambiente e a atuação empresarial e organizacional, tanto na produção de bens e serviços quanto no posicionamento frente à sociedade e ao planeta.

Atualmente isto já começa a acontecer. O setor de consultoria da IBM identificou que os jovens estudantes de 40 países se preocupam mais com o desenvolvimento sustentável do que os diretores executivos daquelas nações. Identificou também que 65% dos universitários demonstram preocupação com a escassez de recursos naturais, percentual que entre os grandes gestores não ultrapassa 29%.

Como os jovens de hoje são os executivos de amanhã…

Veja, neste vídeo, a geração da qual estamos falando.

 

Fontes: http://www.ideiasustentavel.com.br/lideres/artigos/geracao-y-e-sustentabilidade/

http://www2.uol.com.br/canalexecutivo/notas11/100220114.htm

  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 31 de outubro de 2013

Cuidar do Saci fortalece a cultura e protege a natureza

Por: Cooperforte

Se os americanos comemoram o Dia das Bruxas no dia 31 de outubro, há dez anos os brasileiros festejam, na mesma data, um personagem muito especial de nossa cultura popular: o Saci Pererê.

Figura presente em muitas lendas e estórias, principalmente naquelas ambientadas nas matas, no cenário rural e nas cidades do interior, o Saci Pererê fez parte da infância de muita gente. Antigamente, havia até quem acreditasse que ele existia de fato. Que era um ente mágico – moleque negrinho de uma perna só, sem camisa, fumando cachimbo e com gorro vermelho.

Na imaginação popular, o Saci se divertia fazendo peripécias, escondendo objetos, derrubando coisas, espantando caças, perturbando galinhas, cavalos e cães. Assoviar à noite chamava o Saci, assim como, para agradá-lo, bastava deixar um pedaço de fumo de rolo numa trilha deserta. Quando passava um redemoinho de vento, lá no meio brincava o Saci.

Desde que Monteiro Lobato escreveu o Sítio do Picapau Amarelo até os dias atuais, o Brasil mudou muito. Tornou-se um país urbano e moderno. Mas o Saci continua o mesmo e agora conta com a Associação Nacional dos Criadores de Saci.

Nesta entidade, há quem diz já ter visto o molequinho travesso. Contam que ele não é perigoso e que, além das travessuras, também pratica boas ações. Salva pessoas que estão se afogando nas lagoas e rios e ajuda quem se perde na mata.

Os membros da Associação Nacional dos Criadores de Saci protegem a natureza e cuidam das matas, pois sabem que sem elas o Saci virá para a cidade, viverá nas ruas e trabalhará como flanelinha. Além de cuidar do verde, eles contam em estórias as peripécias deste ser mágico, para que ele continue vivo na memória de nosso povo.

 

Fonte: http://tools.folha.com.br/print?url=http%3A%2F%2Fwww1.folha.uol.com.br%2Ffolhinha%2F2013%2F10%2F1364615-homem-relata-encontro-com-saci-no-interior-de-sao-paulo.shtml&site=emcimadahora

 

  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 21 de outubro de 2013

Alimentos: tem para todos – falta para muitos!

Por: Cooperforte

Igualdade é um sonho humano. Mas não corresponde à realidade de nossos dias. Enquanto em alguns lugares vive-se grande desenvolvimento socioeconômico, científico e tecnológico, sistema democrático avançado e profundo bem-estar, em muitos outros milhões de pessoas vivem um cotidiano de desigualdades e injustiças, saúde precária, meio ambiente degradado, violência, miséria e fome. Muita fome.

No mundo existem 842 milhões de pessoas cronicamente famintas, o que significa mais de 10% da população do planeta. Esta realidade mostra-se ainda mais aguda no mês de outubro quando,  propagado pela Organização das Nações Unidas/FAO, comemora-se o Dia Mundial da Alimentação.

Entretanto, existe um paradoxo. Segundo o diretor geral da FAO, José Graziano da Silva, os alimentos produzidos no mundo são suficientes para alimentar a todos, mas mais da metade da população global sofre pela falta ou pelo excesso do consumo de alimentos. Isto tem custos econômicos impressionantes, pois chega a comprometer 5% da renda global, inclusive para solucionar demandas de saúde .

A fome é uma realidade tão crescente e preocupante que até o Papa Francisco, em mensagem sobre o Dia Mundial da Alimentação, declarou: “É um escândalo que ainda exista fome no mundo”. Na opinião do Papa, o individualismo é o grande responsável pela atitude de indiferença que dificulta mobilizações solidárias pela solução deste problema universal.

O Jornal Cooperforte, na página 8 da edição 65, fala sobre o desperdício alimentar no Brasil e, inclusive, dimensiona financeiramente o que isto representa ao longo da vida. Como serviço, dá algumas dicas a se seguir nas compras de supermercado. Leia e faça a sua parte!

 

Fonte:  http://www.onu.org.br/no-dia-mundial-da-alimentacao-papa-francisco-afirma-e-um-escandalo-que-ainda-exista-fome-no-mundo/

 

  • Sustentabilidade

Publicado em Sustentabilidade , dia 30 de setembro de 2013

Florestas do Futuro: plantando esperança, colhendo resultados

Por: Cooperforte

Desenvolvido pela Fundação SOS Mata Atlântica, o programa Florestas do Futuro reúne a sociedade civil, a iniciativa privada, os proprietários de terras e o poder público em uma ação participativa de restauração florestal. O foco principal da iniciativa é a recuperação de matas ciliares, a vegetação que ladeia córregos e rios, importantes para a proteção da água e do solo.

O programa atua em três segmentos diferentes: no sequestro de carbono, na manutenção da biodiversidade e na preservação dos recursos hídricos.

Desde seu início, já foram plantadas mais de 5 milhões de mudas de árvores e plantas, entre os anos de 2004 e 2012, uma área equivalente a mais de 3 campos e meio de futebol.

Atualmente o projeto conta com mais de 30 patrocinadores, entre grandes empresas nacionais e multinacionais, e personalidades públicas. Mas engana-se quem acha que apenas empresas e artistas podem fazer parte da iniciativa. 337 internautas já contribuíram com 6.784 mudas plantadas.

 

Quer saber mais e fazer parte do programa Florestas do Futuro?

Acesse o site: http://www.sosma.org.br/projeto/florestas-futuro/ e descubra como ajudar a recuperar a fauna e a flora do Brasil.